Clique para divulgar
outros desaparecidos

Welcome


United States

 Bandeira em

Economia


Imagem da Notícia
Manifestantes se pre Da redação Worldwide por Sérgio Coutiy - Manife

Imagem da Notícia
O dólar australiano O dólar australiano atingiu quase duas semanas de

Imagem da Notícia
Os preços do petró Por Henning Gloystein CINGAPURA (Reuters) - Os

Imagem da Notícia
Economistas elevam p SÃO PAULO - Economistas de instituições finance

Imagem da Notícia
Petrobras divulga ba Depois de perder valor no mercado, capacidade de i

Imagem da Notícia
Previsão para câmb Depois do dólar em queda na semana passada, as pr

Imagem da Notícia
Superávit primário O superávit primário do governo central (Tesouro

Imagem da Notícia
Brasil compra mais d A balança comercial, diferença entre exportaçõ

Imagem da Notícia
Brasil pode perder p A previsão de um crescimento baixo em 2015 pode

Dólar encerra em R$ 3,09 com queda de 1,02% Variação da moeda foi estimulada.

redacao@worldwide.com.br
Hoje Domingo, 21 de Janeiro de 2018, bom dia!

Variação da moeda foi estimulada pela perspectiva de ingresso de recursos no Brasil devido ao aumento da Selic.

Sobre Brasil Publicada: 16/06/2015 as 23:24:31

No exterior, dólar apreciou-se
contra as principais moedas como
reflexo da crise envolvendo a
dívida da Grécia Foto: Reuters

O dólar fechou em queda de 1 por cento ante o real nesta terça-feira, descolando-se dos mercados externos diante da perspectiva de ingresso de recursos no Brasil devido ao aumento da Selic.

A moeda norte-americana recuou 1,02 por cento, a 3,0953 reais na venda. No exterior, o dólar apreciou-se contra as principais moedas, refletindo as preocupações com a crise envolvendo a dívida da Grécia. Segundo dados da BM&F, o giro financeiro ficou em torno de 900 milhões dólares.

"O quadro externo de maneira geral é negativo, mas o fluxo continua tendo tendência positiva em função dos juros altos e das captações corporativas", resumiu o operador da corretora Correparti Jefferson Luiz Rugik.

Ele se referia às expectativas apontadas pela curva dos DIs de que a Selic suba pelo menos a 14,50 por cento ao fim do atual ciclo de aperto monetário, o que aumentaria a atratividade de papéis brasileiros. Além disso, uma série de empresas, como Petrobras, Embraer e Oi promoveu emissões no exterior recentemente, o que corrobora a expectativa de entradas.

Esse cenário ofuscou parcialmente as tensões entre a Grécia e seus credores a respeito de sua dívida, após o primeiro-ministro grego manter a linha dura que trouxe a Grécia à beira do calote.

"Até que ponto a saída da Grécia da zona do euro pode afetar o crescimento da região como um todo? Essa é a pergunta que somente terá resposta depois do fato consumado", escreveram analistas da Lerosa Investimentos em nota a clientes.

A política monetária norte-americana também ocupou o centro das atenções nos mercados financeiros. Na quarta-feira, o Federal Reserve anuncia sua decisão de política monetária e, em seguida, a chair Janet Yellen participará de entrevista coletiva. Embora a expectativa seja unanimemente de manutenção dos juros, o mercado espera pistas sobre quando o aperto monetário terá início nos EUA.

Nesta manhã, o BC vendeu a oferta total de swaps cambiais, que equivalem a venda futura de dólares, para rolagem dos contratos que vencem em julho. O BC já rolou o equivalente a 3,624 bilhões de dólares, ou cerca de 41 por cento do lote total, que corresponde a 8,742 bilhões de dólares.


Veja mais: DCI

Publicada: 16/06/2015 as 23:24:31

Você pode comentar. Ainda não existe comentário para está notícia.


Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.
Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.
Fique a vontade para comentar.Veja Diretrises de privacidade!

Deixe seu comentário sobre o assunto!