Clique para divulgar
outros desaparecidos

Curiosidades


Imagem da Notícia
Bebê intitulado de Aos 80 anos, Hessy Taft revelou sua origem para o

Imagem da Notícia
Mapa interativo onli O mapa online coleta dados desde 2000, o que signi

Imagem da Notícia
Edward Snowden faz p O grupo WikiLeaks divulgou nesta quinta-feira (10)

Imagem da Notícia
Japão interrompe at O Japão iniciou neste domingo os procedimentos pa

Imagem da Notícia
William e Kate anunc George era a opção de nome mais cotada nas casas

Imagem da Notícia
Presidente russo Vla O presidente da Rússia, Vladimir Putin, e a sua e

Imagem da Notícia
Mulher é encontrada Funcionários que trabalham no resgate de vítimas

Imagem da Notícia
Homem mais rico do m Qual nome vem à sua cabeça quando você pensa no

Imagem da Notícia
Mandela tem infecç Do R7, com agências internacionais O ex-presid

Congresso homenageia Itamar e Fernando Henrique pelos 20 anos do Plano Real


Hoje Domingo, 17 de Dezembro de 2017, boa tarde!

Ao comentar, hoje (25), a atual política econômica, o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso.

Sobre Brasil Publicada: 03/07/2014 as 21:34:32

Ex-presidente Fernando Henrique
Cardoso comenta a atual política
econômica Wilson Dias/Agência
Brasil

Ao comentar, hoje (25), a atual política econômica, o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso que presidio o Brasil entre(1995-1998 e 1999-2002) disse que o Brasil está, neste momento, em um compasso um pouco diferente do do resto do mundo, e que isso precisa ser ajustado. Segundo ele, não se pode dizer que a inflação no Brasil não está sob controle.

Não posso ser injusto e dizer que o governo não controla a inflação. Eu [quando presidente da República tinha 20%, 30% ao mês de inflação. Agora a inflação é 6% ao ano. Isso não quer dizer que não tenhamos que continuar controlando. Eu me preocupo, sim, com a questão de cumprir o programa de metas da inflação e com a responsabilidade fiscal. A política econômica não é receita, é navegação. Temos que ver, a cada momento, o que se deve fazer, ressaltou Fernando Henrique, minutos antes do início da sessão do Congresso Nacional em comemoração aos 20 anos do Plano Real. Para ele, a economia ter de ser avaliada sempre e não pode ser gerida por uma ideia fixa.

Implantado em 27 de fevereiro de 1994, no governo Itamar Franco (1992-1994), com a edição da Medida Provisória 434, o plano foi um grande programa de estabilização econômica que teve como objetivo controlar a hiperinflação que atingia país. Antes da mudança da moeda de cruzeiro real para real, os brasileiros tiveram a Unidade Real de Valor (URV), moeda virtual criada para ajudar na transição. Fernando Henrique Cardoso era, então, ministro da Fazenda.

Ele lembrou a tensão reinante na véspera do lançamento do plano. Havia muita incompreensão. As pessoas tinham receio de que a URV fosse prejudicar os trabalhadores. Havia muita resistência de ministros, mas o presidente Itamar foi firme. Em pouco tempo, a população entendeu e aderiu. Isso é que é importante. Está na hora de tomar outras decisões - não vou dizer o que é, mas o povo sente que está na hora de apontar um novo rumo, ressaltou.

Na sessão solene, o presidente do Congresso, senador Renan Calheiros (PMDB-AL), destacou a importância do plano para a estabilização da economia e melhoria da renda dos mais pobres. Tudo isso é muito positivo, mas há ainda um longo caminho a percorrer para a redução das desigualdades no Brasil, disse Renan. O importante é que o primeiro passo já foi dado, lá atrás, em 1994, com o Plano Real, um patrimônio do Brasil e de sua sociedade, ressaltou o senador, que também homenageou o ex-presidente Itamar Franco, morto em 2011.

Para o senador Aécio Neves (PSDB-MG), que propôs a sessão especial, desde a implantação do Plano Real, renasceu no Brasil a esperança da construção de um futuro planejado. De acordo com Aécio, antes do plano, a inflação e a desordem nas finanças públicas deixaram o Brasil à beira do caos, em várias ocasiões.

O senador mineiro destacou que os princípios do Plano Real foram apropriados de tal forma por nossa sociedade que, desde então, os sucessivos governos não abriram mão de sua defesa. Entretanto, o tempo passa e uma nova geração de brasileiros - aqueles que eram muito jovens em 1994 e os que hoje têm menos de 20 anos - não viveram o horror da inflação, como seus pais. Mesmo a nossa memória se relativiza com o passar dos anos, ressaltou Aécio Neves.


Veja mais: Agência Brasil

Publicada: 03/07/2014 as 21:34:32

Você pode comentar. Ainda não existe comentário para está notícia.


Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.
Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.
Fique a vontade para comentar.Veja Diretrises de privacidade!

Deixe seu comentário sobre o assunto!