Clique para divulgar
outros desaparecidos

Religião


Imagem da Notícia
Israel para sob o so Na manhã desta quinta-feira (16) milhões de isra

Imagem da Notícia
Francisco agradece a O papa Francisco se despediu dos brasileiros no in

Imagem da Notícia
Com modéstia, o pap RIO DE JANEIRO - O papa Francis chegou ao Brasil n

Imagem da Notícia
Líder copta e papa O líder da Igreja Ortodoxa Copta do Egito, Tawand

Imagem da Notícia
Papa Francisco utili Contrariando o estilo atribuído a ele de ser aves

Imagem da Notícia
Saiba quem são os j Maurício Moraes Enviado especial da BBC Brasil a

Imagem da Notícia
Francisco, o nome de POR: JOÃO PEDRO PEREIRA. Quando foi eleito car

Imagem da Notícia
Futuro papa terá de Vaticano - O próximo papa, seja quem for, terá d

Imagem da Notícia
Cardeais começam te A terceira congregação de cardeais para definir

Pequim espera flexibilidade do Vaticano com sucessor de Bento XVI

redacao@worldwide.com.br
Hoje Domingo, 21 de Janeiro de 2018, bom dia!

A China declarou nesta segunda-feira que espera que o Vaticano seja mais flexível

Sobre Vaticano Publicada: 18/02/2013 as 10:43:53

Papa Bento XVI

A China declarou nesta segunda-feira que espera que o Vaticano seja mais flexível com o sucessor de Bento XVI para melhorar as degradadas relações entre Pequim e a Santa Sé.
Esperamos que, durante o novo pontificado, a Santa Sé adote uma atitude flexível e pragmática que crie as condições para uma melhoria das relações bilaterais, declarou Hong Lei, porta-voz da diplomacia chinesa.
Nesta primeira reação oficial ao anúncio feito na última semana da renúncia de Bento XVI, Pequim também pediu ao Vaticano que não interfira nos assuntos internos da China, reiterando, assim, a posição tradicional do regime comunista.
Primeiro, o Vaticano deve romper com suas supostas relações diplomáticas com Taiwan, reconhecer que o governo da República Popular da China representa toda a China e reconhecer que Taiwan é uma parte inalienável do território chinês, disse Hong.
Consequentemente, o Vaticano deve se abster de interferir nos assuntos internos da China, acrescentou.
O Vaticano e a China não têm relações desde 1951, data em que a Santa Sé reconheceu Taiwan, que Pequim considera como parte de seu território.
Os católicos chineses (5,7 milhões, segundo as estatísticas oficiais, 12 milhões, de acordo com as fontes independentes) estão divididos entre uma Igreja oficial (a Associação Patriótica) e uma Igreja subterrânea, que tira sua legitimidade de sua obediência à Santa Sé.

As relações entre o Vaticano e a China ficaram mais tensas com a ordenação desde novembro de 2010 de vários bispos, designados pela Associação Patriótica de católicos chineses sem consulta com a Santa Sé.


Veja mais: Yahoo

Publicada: 18/02/2013 as 10:43:53

Você pode comentar. Ainda não existe comentário para está notícia.


Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.
Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.
Fique a vontade para comentar.Veja Diretrises de privacidade!

Deixe seu comentário sobre o assunto!